quarta-feira, 27 de março de 2013

Plano de Parto

Lá na Casa Angela a gente faz um "PLANO DE PARTO" com nossos desejos e necessidades para que elas, na medida do possível, possam nos atender com respeito e consideração com o que precisamos nesse momento tão sagrado.

Cada linha do meu, foi reproduzida fora do papel e no meu caso, todo acolhimento foi melhor do que eu poderia ter pré escrito/esperado. 
Aqui vai ele... 

espero que sirva pra inspirar quem ainda não conhece a importância sutil de uma coisa dessas e para quem ainda não fez o seu, que seja uma ideia!

sábado, 23 de março de 2013

Primeiro mês pós parto: Regozijando a nova vida viva!

Com a  querida enfermeira Josefa no curso de Cuidados com o Bebê oferecido pela Casa Ângela.

Ser mãe é levar uma super cagada e mesmo com o quarto e/ou a roupa toda suja, agradecer a Deus por sua filha ter conseguido soltar o prisioneiro que fazia sua barriguinha doer.
Isso descobri sozinha, mas como trocar direitinho e fazer uma almofadinha de camomila pra aliviar a cólica foi a Casa Angela que me ensinou nos cursos que participei quando ainda estava grávida.

O Respeito Sagrado ao Tempo Sábio do Cordão

Nos dias de hoje isso até parece coisa extraterrestre, mas foi aqui mesmo em São Paulo-SP que aconteceu: 

Papai cortando o cordão umbilical DEPOIS QUE PAROU DE PULSAR enquanto ela estava calminha nos meus braços reconhecendo com a gente a vida, esta grande e incrível novidade - com a Parteira Franciely Schermak



"Muitos estudos científicos têm comprovado os
benefícios do corte tardio do cordão umbilical. Mas se pararmos para observar o lado do bebê e até outros mamíferos, fica fácil de entender.


O cordão umbilical sai do umbigo do bebê e se liga na placenta. A placenta por sua vez, está ligada a parte interna do útero materno. Durante toda sua vida o bebê recebeu oxigênio, sangue e nutrientes filtrados pela placenta. Envolto pela bolsa d’água, ele estava protegido, aquecido e confortavelmente apertado.
O parto é uma transição muito importante tanto para a mãe quanto para o bebê. O bebê passa pelo canal vaginal, o que estimula a saída de líquido pelas vias aéreas e também é importante para imunidade do bebê. Quando ele sai seus pulmões se expandem e a temperatura muda, estimulando a respiração. Mas o cordão umbilical ainda está ligado no bebê como esteve durante 9 meses! E ainda continua pulsando, enviando oxigênio, sangue e nutrientes.
Dessa forma o bebê ainda recebe oxigênio do cordão umbilical e tem a chance de aprender a respirar sem um corte abrupto dessa fonte. o cordão pode pulsar por vários minutos, soube de um cordão que pulsou por 40 minutos ! Ele pára de pulsar naturalmente e passa de um cordão grosso e cheio de vida para fino e branco. Eu já vi bebês muito saudáveis só resmungarem, dar um chorinho, mas logo pararem… mas na minha prática com parto domiciliar só cortávamos o cordão depois de a placenta sair. Observe a foto do cordão umbilical ao longo de 15 minutos.

Se o corte é feito logo que o bebê sai, claro que ele vai dar aquele choro forte na hora, pois ele é obrigado a expandir os pulmões se não ele fica sem oxigênio! Além de também ficar sem o aporte sanguíneo que ele naturalmente deveria receber, que fica preso na placenta. Um desperdício! O bebê ganha cerca de 100 ml a mais de sangue pelo cordão umbilical até o 3o minuto de vida, o que é um volume considerável para um bebê. E esse aporte sanguíneo previne anemia no primeiro ano de vida. Há evidências suficientes para que aconteça a mudança na prática. Uma das recomendações da Organização Mundial de Saúde é o corte tardio do cordão umbilical.
Entre os outros mamíferos o corte do cordão umbilical é realizado depois da placenta ter nascido ou até mesmo horas após o parto. Pois se eles cortassem antes o filhotinho provavelmente teria uma hemorragia, pois eles não têm clamp para clampear o cordão umbilical e prevenir que saia sangue pelo coto umbilical. Então a natureza mostra que essa prática não é natural… não sei em que momento na história decidiram que cortar o cordão umbilical logo que o bebê nasce é benéfico. Mesmo o tétano neonatal poderia ser na sua grande maioria prevenido se o cordão umbilical fosse cortado algumas horas após o parto.
O cordão umbilical também tem o tamanho perfeito para o bebê ir direto para o colo da sua mãe, sem que seja cortado. E é ali que o bebê precisa estar. Do lado de fora de onde ele estava, na barriga da sua mãe. Para a mãe também é um presente ter seu tão esperado bebê em seus braços, trocar cheiro e olhares.É um momento fundamental para o vínculo entre mãe e bebê. A amamentação geralmente inicia nessa hora. É também confortante, pois o bebê estava dentro da sua barriga, então não dá aquela sensação de “vazio”. Também estimula a liberação de ocitocina materna e faz um peso no útero, evitando hemorragia e estimulando a saída da placenta.
Então, para que a pressa? A pressa é inimiga da perfeição! É tão simples, não requer mais habilidades, equipamentos ou investimento. Mas requer uma coisa: Paciência do profissional. Apenas esperar alguns minutos traz tantos benefícios!
A natureza é muito Sábia."
- Informações retiradas de: http://partopelomundo.com/blog/pt/2012/05/15/umbilical-cord-clamping-why-to-hurry/#sthash.MiF4FmbS.dpuf


sexta-feira, 22 de março de 2013

Relação entre bebês humanos e outros animais de luz

"Há muita coisa a dizer que não sei como dizer. Faltam as palavras.
Mas recuso-me a inventar novas: as que existem já devem dizer o que se consegue dizer e o que é proibido.
E o que é proibido eu adivinho. Se houver força. Atrás do pensamento não há palavras: é-se.
Minha pintura não tem palavras: fica atrás do pensamento. Nesse terreno do é-se sou puro êxtase cristalino.
É-se. Sou-me. Tu te és.
Ouve-me. Ouve meu silêncio. Leia a energia que está no meu silêncio."  CLARICE LISPECTOR em ÁGUA VIVA.



Ciça é uma cachorra de aproximadamente 17 anos. Por conta da idade, ela já nem escuta muito bem. 
Ciça nunca falou português nem outro idioma da linguagem humana convencional. 
Daí vem a grande pergunta: como seus donos a domesticaram e cuidaram dela atendendo suas necessidades com ração e com afeto (visivelmente retribuído) até agora sem conhecerem seus pensamentos?
Acredito que com um bebê seja a mesma coisa!
Usamos com esses seres pequeninos que chega pra gente cuidar, a linguagem além das palavras. Ou seja, é possível nos comunicar apenas através de uma percepção muito mais sutil do que a comunicação verbal.
Surgem então mais perguntas: qual é a linguagem da natureza? E como todos os seres vivos "irracionais" seguem na evolução do bem universal se comunicando num mesmo ritmo sem compartilhar os mesmos latidos, rosnados, miados, relinchos, piado, etc. entre suas mais variadas manifestações?
Acredito que essa seja a linguagem do AMOR e é com ela que estou tentando transmitir todos os cuidados e sentimentos mais puros pra minha filhota desde que ela nasceu, respeitando os instintos maternos e me colocando em seu lugar nessa novíssima experiência terrena. Acho que tá dando certo, por isso compartilho pelo menos a parte escrita dessa rica sintonia e transmissão.

PS: Nessa foto, estava eu organizando os livros e a Ciça deitou bem no meio deles, só coloquei meus óculos na frente pra dar um charme a mais. Registro merecido e pra mim inspirador - não li ainda esse livro e desse fato fotografado tirei a seguinte conclusão: a natureza animal tem muito mais a nos ensinar do que os homens tentam dizer.

Beijos,
Gi - 12:12.




segunda-feira, 18 de março de 2013

O Renascimento do Parto

Compartilho esse filme (que acredito que em breve estará disponível para download aqui na internerd) direcionando-o não só as futuras mamães e papais amigos meus, mas pra todo ser humano aqui presente que busca uma consciência racional, pura e verdadeira além da imposta pelos senhores da guerra que estão corrompendo até nossos hormônios do amor e nos drogando com ocitocina sintética e outras interferências desnecessárias no nascimento dos futuros seres terrestres.

"O que que via ser do nosso sistema de produção dos hormônios do amor, se eles deixam de ser utilizados, eles passarem a serem inúteis? O que significa isso a nível de civilização?"

"O ator principal do parto tornou-se o médico, homem, o produto desse nascimento é o bebê e a mulher é um sub-produto secundário... Pro surgimento do modelo obstétrico contemporâneo, era fundamental que se criasse a ideia de que as mulheres são essencialmente incopetentes/incapazes para dar conta do processo de nascimento por si mesmas"



sábado, 16 de março de 2013

O (Re)Nascimento

Foto/relato: Missão cumprida (curta e muito feliz)

VantaGIS do parto natural: 

Hoje completam-se 21 dias que dei a luz e 20 dias que tiramos essa foto na saída da casa de parto (SIMM... vim pra minha casa firme, em pé e sorridente um dia depois que pari).



Com Camila Nogueira - Parteira e Dandara no colo, na porta de saída da Casa Ângela um dia após o parto.

Cheguei na Casa Angela de madrugada com 9cm de dilatação e o transporte da Dandara do meu ventre à Terra não durou nem 1h (SIMM... bastou muito amor e concentração-força física e psico-emocional [trabalhei até o 8º mês num lugar onde rejeitaram minha gravidez do inicio ao fim - foi difícil, mas no tempo livre fiz hidroginástica no sesc com a 3a idade nos finais de smeana, yoga para gestantes com Amanda Lamberte, oficinas e watsu com Aline Tarraga ] e MUITA sintonia/conexão com o bebê durante toda a GIStação).


Fui recebida por dois anjos que estavam de plantão, que auxiliaram sutilmente meu instinto materno e minha força inata de parir da forma mais sábia e natural possível (o que todas as mulheres são capazes e precisam apenas se lembrar que possuem esse dom).
De cócoras, uma força estranha tomou conta de mim que foi maior do que a dor das contrações. Confesso que me veio na cabeça várias imagens dos partos de animais que assisti e doidamente me vi uma capivara parideira que acreditando na sua capacidade inteli-gente-animal, apenas se concentrou nas etapas atingidas do seu renascimento... Juro, foi muito rápido! Foram mais ou menos uns três gritos fortes que eu até desconheci o som da minha voz entoando



Foto do nascimento da  Dandara 23/02/13, publicada no Grupo Una 27/04/13 incentivando a beleza do Parto Natural.

 muita garra e como num passe de mágica por um círculo de fogo Dandara chegou das águas mornas do meu ventre-rio para esse imenso mundo-mar. Nada de médico, nada de desespero, nada de pressa, nada de soro na veia, nada de ocitocina, nada de corte, nada de pontos, nada de lavagem intestinal, nada de interferências no processo natural. (SIMMM.. nada disso foi necessário!) Não sei se ria ou se chorava por vê-la na nossa frente quietinha apenas resmungando no chão. Acho que podemos chamar de alumbramento o que nesse instante se apossou de mim, e com o resto de força que me restou após aquele maravilhoso trabalho, contemplei encantada/boba aquele lindo milagre.
Fomos acolhidos e amparados (mamãe, papai e filhinha) desde o acompanhamento pré natal/durante e após o parto pelas mais queridas mãos de quem sabe o que faz e trabalha feliz com amor e humanidade. (SIMMM isso ainda existe nos dias de hoje e podemos crer no poder benéfico e transformador que isso tem).
Desde então, a paz invadiu o meu coração... e eu, minha filhota, o papai dela e todas as almas amigas que nos acompanharam respiramos eterna GRATIDÃO! 

Com muito amor e carinho à todas as enfermeiras/obstestras e à Casa Angela - Centro de parto normal humanizado todinha milhões de abraços e beijos sem fim.

terça-feira, 12 de março de 2013

A mama em atenção (amamentação consciente)

Dandara com 20 dias de vida na Terra: ela só pensa em mamar, mamar, mamar, mamar...


Experiência vivida 12-03-13:

-Peguei no celular = Dandara parou de mamar.
-Larguei o celular = Dandara voltou a mamar.

Xô distrações modernas!!! Com licença, sinto muito, obrigada!!!

Viva o aleitamento amoroso e a sintonia/conexão mãe e filha!!!

Pra gente não interessa mais NADA!!!